conecte-se conosco


ECONOMIA

Influenciado por exterior, dólar tem maior queda em três meses

Redação

Publicados

em


.

Influenciado por ações do Banco Central norte-americano, o dólar teve nesta sexta-feira (28) a maior queda em três meses. O dólar comercial encerrou o dia vendido a R$ 5,416, com recuo de R$ 0,163 (-2,93%). Essa foi a maior queda percentual em um dia desde 2 de junho, quando a moeda tinha caído 3,23%.

A divisa está no menor valor desde 13 de agosto, quando tinha fechado em R$ 5,368. Nesta semana, o dólar caiu 3,41%, mas acumula alta de 3,78% em agosto e de 34,95% em 2020.

Nesta sexta, o dólar caía contra as principais moedas do planeta. O dólar cedia 1,7% ante o peso mexicano, 1,5% contra a moeda da Nova Zelândia e 1,1% frente ao iene.

O principal motivo para o recuo da moeda norte-americana foi a avaliação do mercado de que a mudança de abordagem pelo Federal Reserve (Fed), Banco Central dos Estados Unidos, pode significar longo período de baixas taxas de juros. Juros mais baixos na economia norte-americana reduzem a atratividade do dólar como investimento.

Leia Também:  Pedidos de recuperação judicial têm queda de 23,3% em julho

No mercado de ações, o dia foi marcado pela euforia, também por causa da nova estratégia divulgada ontem (27) pelo Fed. O índice Ibovespa, da B3 (a bolsa de valores brasileira), fechou em alta de 1,51%, aos 102.143 pontos. Por causa do desempenho de hoje, o índice encerrou a semana com leve alta acumulada de 0,6%. Em agosto, o Ibovespa cai 0,75%.

Além dos fatores internacionais, a alta do Ibovespa foi influenciada pelos juros baixos. Com a taxa Selic (juros básicos da economia) no menor nível da história, em 2% ao ano, investidores domésticos estão migrando para a bolsa em busca de rentabilidades maiores, apesar do risco do mercado de ações.

* Com informações da Reuters

Edição: Wellton Máximo

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

Mercado de trabalho mostra estabilidade após pandemia, aponta Ipea

Redação

Publicados

em

Por


.

O mercado de trabalho brasileiro mostra sinais de estabilidade, com algum viés de recuperação, ainda que de forma discreta, após o tombo causado pelos efeitos econômicos da pandemia. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (28), em boletim do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), baseado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad Covid-19) referente à semana de 2 a 8 de agosto.

Segundo a Carta de Conjuntura do Ipea, ainda que não seja possível notar uma reação mais robusta do mercado de trabalho, a simples estabilidade nos índices já pode apontar que houve uma interrupção na tendência de queda, que vinha se mostrando desde o mês de março, notadamente a partir de maio e junho, quando houve o pico da pandemia principalmente no Rio de Janeiro e São Paulo.

A taxa de desocupação foi de 13,3% na semana de referência, próxima da média de julho, de 13,1%. O nível da ocupação também apresentou estabilidade em relação ao mês anterior, situando-se em 47,9%, nível idêntico à média de julho.

“O nível de ocupação costuma reagir aos movimentos do nível de atividade de forma defasada. Assim, o recuo da população ocupada observado em junho e julho teria refletido a forte retração da atividade econômica observada no início da pandemia, e sua estabilidade no período mais recente já poderia ser interpretada como reflexo da melhora dos indicadores econômicos a partir de maio”, destacaram os técnicos do Ipea.

Leia Também:  Déficit primário do Governo Central atinge R$ 87,84 bilhões em julho

Segundo eles, se não houver piora das condições sanitárias associadas à pandemia, o que poderia levar a novas restrições ao funcionamento das atividades econômicas, “seria razoável esperar que o nível de ocupação passasse a recuperar-se gradualmente nos próximos meses”.

Ainda assim, mesmo que a evolução favorável da pandemia possa levar ao processo de retorno gradual a algum tipo de normalidade no funcionamento da economia, os efeitos adversos da crise no mercado de trabalho, de acordo com o Ipea, tendem a persistir durante algum tempo.

“Em particular, é razoável imaginar que, nos próximos meses, a taxa de desocupação se mantenha em um patamar elevado, podendo até vir a oscilar para cima, pressionada pelo movimento de retorno à força de trabalho de uma parcela de trabalhadores que, amparada pelo recebimento do auxílio emergencial, deixou de procurar emprego por conta da crise e do distanciamento social”, salientou o instituto na Carta de Conjuntura.

De acordo com o Ipea, é razoável esperar que, com a continuidade do processo de recuperação do nível de atividade econômica, o nível de ocupação passe a recuperar-se nos próximos meses, mas a taxa de desocupação se mantenha em um patamar elevado, pressionada pelo movimento de retorno à força de trabalho de pessoas que deixaram de procurar emprego por conta da crise e do distanciamento social.

Leia Também:  Tesouro eleva para R$ 4,9 tri teto da Dívida Pública Federal para 2020

“Os resultados recentes da Pnad Covid-19 sugerem que esse movimento ainda não começou de forma significativa. De fato, o número de pessoas não ocupadas que não procuraram emprego por conta da pandemia, mas gostariam de trabalhar, permaneceu elevado (18,3 milhões), apesar da queda em comparação com a média de julho (18,9 milhões)”, ressaltou o Ipea.

De qualquer forma, a redução, na margem, do contingente de pessoas fora da força de trabalho que gostariam de trabalhar, mas não procuraram emprego por conta da pandemia, é um dos indícios que sinalizam o retorno gradual a algum tipo de “normalidade” no mercado de trabalho.

“Outro sinal nesse sentido é fornecido pelo número de pessoas ocupadas, mas temporariamente afastadas do trabalho devido ao distanciamento social, que continuou a trajetória de queda observada desde o início da pesquisa. Na primeira semana de agosto, esse indicador atingiu 4,7 milhões de pessoas, abaixo da média de julho, que foi de 6,8 milhões de pessoas.

Edição: Liliane Farias

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

CIDADES3 horas atrás

Prefeito Alex acompanha primeiras vacinações contra covid-19 em Rosário Oeste

Técnica de Enfermagem Perolina Stoffel foi a primeira a ser vacinada em Rosário Oeste

CIDADES10 horas atrás

ALTO PARAGUAI: MPMT cobra realização de inspeção para coibir venda ilegal de carne

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso notificou a Secretaria Municipal de Saúde de Alto Paraguai, município distante 199...

CIDADES10 horas atrás

PM registra roubo de gado em área rural de Nova Olimpia MT

A policia militar foi informada que nesta segunda-feira (18) por volta das 17 horas, oito indivíduos armados invadiram a fazenda...

CIDADES21 horas atrás

ROSÁRIO: Homem procurado, com mandado de prisão preventiva reage a abordagem policial e é baleado.

Mesmo atingido na região do abdômen, o foragido ainda conseguiu correr com um revólver na mão, mas caiu no corredor...

CIDADES1 dia atrás

Enfermeira fala sobre as vacinas contra o covid que virão para Rosário Oeste

A Enfermeira Jerusa Amaral, responsável pelo Centro de Covid de Rosário Oeste foi entrevistada pelo Radialista João de Deus na...

CIDADES1 dia atrás

NOBRES: Médico de 49 anos tem alta após quatro meses internado com Covid-19

Esmeraldo é médico em Nobres, a 151 km de Cuiabá, e trabalhava na linha de frente contra o coronavírus quando...

CIDADES1 dia atrás

Homem morto em Diamantino já havia sido preso antes em Lucas do Rio Verde

Homem havia sido preso em Lucas do Rio Verde em dezembro do ano passado

MATO GROSSO

POLICIAL

POLÍTICA MT

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA