conecte-se conosco


POLÍTICA MT

Vencedoras do câncer de mama ganham Dia da Autoestima

Redação

Publicados

em


As três convidadas e a diretora da Assembleia Social, Dani Paula.

Foto: Karen Malagoli

Studio KA foi voluntário nos penteados.

Foto: Karen Malagoli

Thon Lopes doou as maquiagens.

Foto: Karen Malagoli

Antes de começar, um café da manhã! À direita, a presidenta da MTmamma, Cleuza Dias.

Foto: Karen Malagoli

O ensaio buscou captar as múltiplas belezas das mulheres.

Foto: Karen Malagoli

O câncer de mama atinge as mulheres em vários níveis: provoca medo dos riscos, dores, trata-se de um tratamento difícil e ataca a autoestima, em função da construção social da feminilidade, vinculada aos seios e aos cabelos. Por esse motivo, a Assembleia Social, em parceria com a MTmamma, convidou três mulheres para um Dia de Autoestima, em alusão ao Outubro Rosa.

A ação, realizada na última quinta-feira (22), ocupou o Teatro do Cerrado Zulmira Canavarros – camarins, para maquiagem profissional e penteados, e palco, para um ensaio fotográfico com as estrelas do dia. O evento simbólico também ofereceu um café da manhã e um presente.

A Assembleia Social já é parceira regular da associação MTmamma – Amigos do Peito e, este ano, pensou em um formato sem grande concentração de pessoas, para não colocar em risco as assistidas. As três participantes do projeto – Maria Fátima Sassaki, Tânia Maria Espírito Santo e Vânia Silvera de Souza – já venceram o câncer e foram selecionadas pela entidade filantrópica parceira.

Essa é a terceira de quatro ações que a Assembleia Social está fazendo para o Outubro Rosa, em parceria com a MTmamma. O Teatro Zulmira Canavarros sediou a live de abertura do mês (em 30/09); a AL Social ofereceu 10 mamografias e 10 reconstruções da auréola mamária por micropigmentação; o referido Dia da Autoestima; e o show drive-in com o Trio Brasilis, no estacionamento do teatro, às 19h da próxima quinta-feira (29/10), como acolhida da Carreata de Encerramento da campanha Outubro Rosa em Cuiabá.

“Desde a reconstituição da auréola mamária até este ensaio fotográfico, é para lembrar que, acima de tudo, o corpo vale a pena, a presença vale a pena, a vida vale a pena. E elas são lindas, têm um brilho nos olhos, uma vontade de ensinar… a gente está muito feliz!”, contou sobre a ação a diretora da Assembleia Social, Daniella Paula Oliveira.

Leia Também:  Viaturas policiais poderão receber blindagem

A presidenta da MTmamma, Cleuza Dias, destacou a importância da autoestima para o tratamento. “O câncer mexe com dois ícones de beleza da mulher – o cabelo e a mama – e, quando ela está em tratamento, não tem renovação celular. Portanto, é extremamente importante toda ação de resgate da autoestima, porque ela melhora a imunidade, o bem estar geral”. Cleuza também avaliou a ação pontual neste ano atípico: “As assistidas são muito sinestésicas, gostam de abraços, de contato… e este ano nós tivemos que ficar mais afastadas. Então, esta foi uma oportunidade impar para reunir, mesmo que em número pequeno de mulheres”, celebrou.

A manhã especial contou com café da manhã fornecido pela ALMT, maquiagem de Thon Lopes Make-up, penteado por Studio KA Hair Stylist, ensaio fotográfico com a fotógrafa da AL Social, Karen Malagoli, e kits de perfumaria fornecidos pela Droga Geral. Além do álbum virtual, cada convidada recebeu três fotos impressas.

“O que mais me motiva é elas se olharem no espelho e falarem: ‘tô bonita’”, comenta Thon Lopes. “Meu objetivo é acolher”, completa Keligiani Leão, do Studio KA.

 

As três convidadas

As assistidas contaram suas histórias para a equipe e emocionou a todos. Maria Fátima venceu o câncer há 15 anos. Passou por um tratamento de cinco anos, que incluiu quimioterapia, radioterapia, retirada de um quadrante da mama. Mas Fátima, segura de si, não teve sua autoestima atingida. “Caiu todo o pelo do corpo todo, mas eu tirei de letra isso [ficar careca]”, comentou.

Hoje, Fátima é voluntária na associação e auxilia outras mulheres no processo de tratamento. “Eu não gosto de dar palestras, mas eu vou lá [na MTmamma] e converso com elas, ajudo as meninas”.

Leia Também:  Henrique chama atenção para denúncia contra secretário adjunto executivo da Seduc

Tânia Maria foi diagnosticada em 2010, em um exame posterior a uma plástica de redução de mama. “O médico falou um nome que eu nunca tinha ouvido, parecia um palavrão”, comentou sobre o acometimento da doença. O pequeno nódulo encontrado era maligno. Começou a quimioterapia logo em seguida, teve muito vômito, perdeu os cabelos. Dois anos depois, sofreu uma recidiva (reaparecimento da doença) e passou pela terceira cirurgia na mama (uma plástica e duas pelo câncer). Em 2018, passou por uma metástase na axila (quando o câncer se espalha para outro órgão).

“Na primeira vez que eu perdi o cabelo, eu me senti muito mal. Usei lenço, peruca, mas não me adaptei. Então, eu assumi a careca”, conta. Tânia segue o tratamento pelo SUS e comemora o atendimento público: “ainda bem que a gente tem essa oportunidade”. E aproveita todas as atividades da associação – suspensas durante a pandemia – como hidroginástica e dança do ventre, ministradas por voluntárias.

Vânia é a convidada que tem histórias mais recentes com o câncer. Foi diagnosticada em 2016 e estava em processo de remissão – período de 10 anos de acompanhamento, para considerar a cura – sem recidiva. Em maio deste ano, chegou o dia do grande sonho: a cirurgia de reconstrução mamária.

Infelizmente, Vânia contraiu a Covid-19 no hospital e passou por cenas de pesadelo. Teve problemas de cicatrização na cirurgia e conflitos para conciliar o protocolo de atendimento de pacientes de câncer com as normativas de atendimento ao coronavírus. “Foi uma fatalidade”, comentou sobre o fato, tendo em vista de que não havia casos do vírus no hospital.

Como a cicatrização não aconteceu como o esperado, ainda precisaria refazer a cirurgia de reconstrução da mama, mas não sente mais a urgência que sentia. Vânia tem um filho de 13 anos e não quer correr riscos. “Aprendi a valorizar a vida e minimizar a estética. Percebi que a beleza já é viver”.

As três guerreiras ficaram muito felizes com o convite de um momento de cuidado e a eternização dessa vitória, por meio das fotos. Fátima resumiu como “tudo de bom”, Tânia destacou o quanto “a gente se sente importante” e Vânia chamou de “presente”. “Todo movimento feito para engrandecer e estimular a mulher, que é luz, é lindo”, refletiu a sorridente e iluminada Vânia.

Fonte: ALMT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

POLÍTICA MT

No dia Mundial de combate a AIDS, o alerta sobre prevenção, diagnóstico e tratamento precoces ganha ainda mais destaque este ano com a pandemia

Redação

Publicados

em

Por


Foto: MARIA A NASCIMENTO TEZOLIN / SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO

O cuidar constantemente do paciente com HIV e combater o preconceito que ainda envolve a doença são desafios que persistem desde a sua descoberta e que fazem parte da bandeira de conscientização do Dia Mundial de Luta contra a AIDS, celebrado todo 1º de dezembro. Mas, este ano, uma nova preocupação marca essa batalha que é a forma como a pandemia do novo coronavírus tem afetado a procura por exames e principalmente afastado portadores do HIV dos hospitais e postos de saúde.

Em Mato Grosso, este ano, foram notificados até agora 650 novos casos, sendo 412 portadores do vírus HIV e 238 com manifestação da AIDS, conforme levantamento da Secretaria de Saúde do Estado. Os números representam uma queda de mais da metade em relação ao ano passado quando foram contabilizados 1467 casos.

Esses dados, segundo a superintendente em Vigilância em Saúde da SES, Alessandra Moraes preocupam porque acendem uma alerta por representar uma diminuição nos protocolos de testagem, e consequentemente nos diagnósticos precoces que permite um tratamento mais eficaz com garantia de maior qualidade de vida para os portadores.  “A desmobilização ou interrupção dos serviços de combate ao HIV afeta significativamente quem já convive com o vírus, mas também quem ainda pode desenvolvê-lo. E pior que isso, também significa uma desafio no monitoramento que permitem desenvolver ações de controle” afirma. 

Leia Também:  Henrique chama atenção para denúncia contra secretário adjunto executivo da Seduc

Alessandra explica que o diagnóstico e tratamento precoces do HIV são fundamentais para preservar o sistema imunológico e garantir uma boa resposta ao tratamento. “O exame que detecta a presença do vírus, leva 15 minutos para ficar pronto. E quanto ao tratamento, quanto antes iniciar o uso dos medicamentos, mais cedo o vírus se torna indetectável e não é mais transmitido por aquele paciente”, explica a superintendente.

O protocolo ofertado hoje pelo sistema público disponibiliza além centros específicos para atendimento multidisciplinar de cuidados médicos para os pacientes de AIDS, assim como também disponibiliza medicamentos bloqueadores considerados de primeira linha por causar pouco ou nenhum efeito colateral aos portadores do vírus, garantindo uma maior qualidade de vida. “Tudo isso foi comprometido com efeitos da pandemia que dificultou o acesso dos pacientes e o mapeamento e acompanhamento da doença no estado” lamenta Alessandra.

Ela alerta que as infecções por HIV ainda são um problema grave de saúde pública, que necessitam de atenção da continuidade dos programas de atendimento e monitoramento. “Se, que se deixarmos de ter o controle de infecções e descontinuarmos os programas, o número de infectados e mortes vai começa a aumentar”, alerta.

Leia Também:  CCJR analisa 24 matérias em reunião ordinária

 

 

Legislações Estaduais: Muitos avanços foram feitos no tratamento da AIDS, existem leis que protegem os direitos dos infectados e muito se sabe sobre a doença e seu agente causador. Entretanto, as populações ainda têm dúvidas sobre os métodos de transmissão da doença e ainda persiste o estigma e a discriminação.

Em Mato Grosso, ao todo existem hoje 11 PLs e 6 leis que regulamentam políticas para pacientes com AIDS ou ações para evitar a transmissão da doença.

AIDS – doença causada pelo vírus HIV. Ela afeta o sistema imunológico, responsável por defender o organismo de doenças, o vírus da AIDS (HIV) destrói as células brancas do organismo, responsáveis em proteger e combater doenças no corpo humano. Com a destruição das defesas do organismo, o corpo fica bastante fragilizado e propício a ser atacado por inúmeras doenças, como pneumonias, infecções, herpes e até mesmo alguns tipos de câncer.

É importante lembrar que ser portador do vírus HIV não é a mesma coisa que ter AIDS, algumas pessoas convivem com o vírus no organismo sem que ele se manifeste. Este entre outros fatores torna difícil e muitas vezes tardio o diagnóstico da doença, por isso acima de tudo o essencial é a prevenção.

Fonte: ALMT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

MATO GROSSO

POLICIAL

POLÍTICA MT

ENTRETENIMENTO

POLÍTICA NACIONAL

MAIS LIDAS DA SEMANA